Perdi tudo, e agora?


Marisa Fonseca Diniz




Quando eu criei este blog intitulado: “Se virando sem grana” muitas pessoas não entenderam qual o real motivo de escrever artigos voltados à época de “vacas magras”, uma vez que na época da sua criação o Brasil vivia sua melhor fase áurea da abundância e consumo exacerbado. Ora, qualquer pessoa de bom senso e com um pouquinho de conhecimento econômico e político sabia que a fase de economia populista era apenas um disfarce para a fase crítica a qual o país estava atravessando.

Quando saí da diretoria de um grupo de empresas de logística internacional devido à queda nas importações do setor da construção civil, algo já alertava aos mais precavidos de que o país estava prestes a entrar em um turbilhão de problemas econômicos, pois a indústria da construção civil já estava em declínio desde 2009 acompanhado de vários outros setores industriais.

O fato de hoje o país estar sofrendo com o desemprego, a falta de trabalho, oportunidades e alta dos preços tem feito com que várias pessoas tenham que se adaptar a nova vida, cheia de dívidas geradas na época populista do consumismo.  Porém há ainda um grande número de pessoas que não aceita esta nova fase, e invés de encontrar novas maneiras de sobrevivência continuam cometendo velhos erros pedindo dinheiro emprestado a amigos e familiares sem previsão de pagamento, e não arredam o pé nem para se adaptarem a nova realidade.

O que tem ocasionado um afastamento cada vez maior da atual realidade, alguns chegam ao absurdo de terem uma pequena renda disponível ou nenhuma e terem a cabeça ainda voltada para os luxos do passado, não se adaptando a atualidade, pois se sentem envergonhados em ter que descer alguns degraus da vida para fazerem atividades nas quais acreditam não serem dignas.

Em épocas de crise e baixa da classe social a melhor coisa a fazer é aceitar a nova fase e descomplicar a vida, olhar além da vida que os cerca e enxergar uma nova oportunidade, pois reclamar da situação não irá tirar ninguém do buraco, e tentar se aproximar das pessoas apenas para tirar proveito financeiro só vai afastar os amigos e familiares.

Caso, os pais não possam mais manter os filhos em escolas e faculdades particulares, não é vergonha nenhuma colocá-los na escola ou faculdade pública, pegar transporte público não faz ninguém mais pobre até porque há vários programas para estudantes que não podem pagar a passagem, quem não tem dinheiro para comer uma boa opção são os restaurantes populares dos governos estaduais, engana-se quem acha que só tem mendigos, a comida é muito boa e saborosa e o preço é popular. Vender o carro ou imóvel não é o final do mundo, pois em épocas de crise o que há de mais importante na vida das pessoas é a dignidade em ter o “nome limpo”.

Há vários programas sociais que podem ser uma solução mesmo que temporária às pessoas mais necessitadas sabendo que é apenas uma pequena ajuda para tentarem se erguer novamente, e não é vergonha nenhuma ter que viver deles, pois os impostos que pagávamos ontem podem ser devolvidos as pessoas mais carentes nos tempos atuais.

Todas as pessoas estão propícias a passarem por tempos difíceis em qualquer época da vida, aqui vão alguns destes benefícios basta acessar o link:








Procure o site do governo do seu estado ou da prefeitura da cidade onde você mora, pois com certeza terá um programa social que lhe cabe melhor nesta época de crise. Se nenhum deles for possível, então se adapte a sua nova realidade e se reinvente profissionalmente.

Aqui no blog há várias dicas do que fazer e como ganhar dinheiro nestes tempos tão difíceis. 

Licença Creative Commons
O trabalho Perdi tudo, e agora? de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível emhttp://sevirandosemgrana.blogspot.com/2015/11/perdi-tudo-e-agora.html.

Um comentário:

  1. Verdade Marisa .
    Saber se adaptar a nova ( não tão nova assim ) realidade
    é um dos segredos para não chegar ao fundo do poço .
    Perceber que água está subindo e tratar logo de buscar soluções práticas .

    abs
    Kiko

    ResponderExcluir